Oi, lindezas!

O dia de ontem (28) foi histórico por N motivos, mas uma das partes lindas foi a mobilização de eleitores levando livros consigo na hora de votar, a convite do candidato Haddad e de sua fala de “MAIS LIVROS, MENOS ARMAS”.

Aproveitando o Dia Nacional do Livro no dia de hoje, 29 de outubro, juntei alguns dos livros que vi em fotos de famosos ou não para compartilhar com vocês.

Segue as fotos dessa galera linda e abaixo a listagem dos livros:

https://www.instagram.com/p/BpfccANgnCf/?taken-by=jacyjuly

https://www.instagram.com/p/BpfTg0ejxYh/?taken-by=kemiueno

View this post on Instagram

E seja o que Ele quiser…🙏🏿

A post shared by David Junior (@davidjunior) on

https://www.instagram.com/p/BpfU66MFoWM/?taken-by=mayananeiva

View this post on Instagram

Voto com livro 🌈

A post shared by Luis Lobianco (@luislobianco) on

View this post on Instagram

Votado ❤️

A post shared by Leticia Colin (@leticiacolin) on

View this post on Instagram

Democraticamente a(r)mada 📚

A post shared by Fernanda Paes Leme (@fepaesleme) on

https://www.instagram.com/p/BpfHQ_vnVGn/?taken-by=dayamoraesoficial

https://www.instagram.com/p/BpfL9NcFE30/?taken-by=mariagadu

View this post on Instagram

Pela Paz e pelo diálogo!

A post shared by Patricia Pillar (@patriciapillar) on

View this post on Instagram

Pela liberdade da Democracia e a força dos livros!

A post shared by Drica Moraes (@oficialdricamoraes) on

Lista de livros:

  • Autobiografia de Malcom X
  • OBAX – André Neves
  • Para educar crianças feministas – Chimamanda Ngozi Adichie
  • Um defeito de cor – Ana Maria Conçalves
  • Quem tem medo do feminismo negro? – Djamila Ribeiro
  • Cartas da prisão de Nelson Mandela
  • Mulheres, raça e classe – Angela Davis
  • O ódio que você semeia – Angie Thomas
  • Ensaio sobre a cegueira – José Saramago
  • Fico besta quando me entendem – Hilda Hist

  • O movimento negro educador – Nilda Lino Gomes
  • Problemas de Gênero – Judith Butler
  • Viva o fim – André Carvalhal
  • Na minha pele – Lázaro Ramos
  • Mulheres – Carol Rossetti
  • Mídia e racismo: ensaios – Rosalia Diogo
  • O livro dos abraços – Eduardo Galeano
  • Dona Flor e seus dois maridos – Jorge Amado
  • O livro das semelhanças – Ana Martins Marques
  • Grande Sertão: Veredas – Guimarães Rosa
  • Eu sou eternamente livre – Luiz Carlos Silveira Dias Junior
  • Ensaios de amor – Alain de Botton
  • Casamento Igualitário – Bruno Bimbi
  • A ditadura envergonhada – Elio Gaspari
  • Batismo de sangue – Frei Betto
  • A autobiografia de Martin Luther King
  • A vida como ela é – Nelson Rodrigues
  • Devassos no paraíso – João Silveiro Trevisan
  • Textos em ficção – Hilda Hilst
  • Insubmissas lágrimas de mulheres – Conceição Evaristo
  • Persépolis – Marjani Satrapi
  • A menina que roubava livros – Markus Kusak
  • O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado – Abdias do Nascimento
  • Brasil: uma biografia – Heloisa Maria Murgel Starling e Lilia Schwarcz
  • O mundo é bárbaro – Luis Fernando Veríssimo
  • Contos reunidos – Rubem Fonseca
  • Cartas perto do coração – Fernando Sabino e Clarice Lispector

 

Baita seleção de títulos, né?

BOA LEITURA ❤

Grande beijo,

Duda Buchmann

7 meses sem respostas. Quem matou Marielle e Anderson?

A escola carnavalesca Estação Primeira de Mangueira quis chamar atenção para esse caso de assassinato da vereadora Marielle Franco citando o nome dela em seu novo enredo História Pra Ninar Gente Grande, do carnavalesco Leandro Vieira. Eu achei a letra incrível e um real alerta para aquele país que a gente tenta colocar pra “baixo do tapete” sempre que pode.

Um dos compositores do samba, Tomaz Miranda, disse que é em homenagem a memória de Marielle e Anderson Gomes (motorista morto no atentado) e toda luta que ainda virá.

Brasil, meu nego
Deixa eu te contar
A história que a história não conta
O avesso do mesmo lugar
Na luta é que a gente se encontra

Brasil, meu dengo
A mangueira chegou

Com versos que o livro apagou
Desde 1500
Tem mais invasão do que descobrimento
Tem sangue retinto pisado
Atrás do herói emoldurado
Mulheres, tamoios, mulatos
Eu quero um país que não está no retrato

Brasil, o teu nome é Dandara
Tua cara é de cariri
Não veio do céu
Nem das mãos de Isabel
A liberdade é um dragão no mar de Aracati

Salve os caboclos de julho
Quem foi de aço nos anos de chumbo
Brasil, chegou a vez
De ouvir as Marias, Mahins, Marielles, malês

Mangueira, tira a poeira dos porões
Ô, abre alas pros teus heróis de barracões
Dos Brasil que se faz um país de Lecis, jamelões
São verde- e- rosa as multidões

Olá, lindezas!

No início de julho eu estava no Rio de Janeiro e tive oportunidade de assistir a peça musical Ícaro and The Black Stars no Teatro XP protagonizado por Ícaro Silva. Antes de falar sobre ela, preciso dizer que já estou torcendo demais por uma turnê nacional, todo mundo precisa assistir!

Eu sou fã do Ícaro desde os tempos de black power do Rafa na Malhação, acompanho a carreira dele e me surpreendi positivamente quando o assisti no quadro Show dos Famosos no Domingão do Faustão (apesar de acompanhar ele na TV, eu não tinha ideia do talento dele nos musicais). E acho que foi a participação dele no programa que deu o ponta pé no musical.

Um teatro com negros como personagens principais, em uma zona do Rio de Janeiro, com casa lotada é representatividade!

O musical é uma viagem espacial com momentos importantes da música dos negros no mundo. Tem Beyoncé, Gilberto Gil, James Brown, Jackson 5, Bob Marley e muito mais. A produção é simples, conta com duas cantoras (as Black Stars), banda com dois assopros e uma percussão e uma dj, todos extremamente talentosos! Fiquei encantada com tanto talento em um pequeno grupo. O texto é de Pedro Brício e a direção musical é de Alexandre Elias. E tem a proposta de ter um convidado por noite, na nossa foi a Daúde, cantora do hit Pata Pata (1997). Foi uma noite inesquecível! Muita energia, muita ginga, muito humor e muito ritmo!

E a vontade de levantar pra dançar? Apesar de ser uma peça musical, pode ser confundido com um show tranquilamente, rs. O próprio Ícaro explicou um pouco para ao jornal Extra:

“Não é um show, um musical nem uma peça de teatro. É um milk shake de possibilidades artísticas. Reuni nesse trabalho ícones negros que permeiam a cultura popular, assim como a minha vida, e que, ao mesmo tempo, dialogam com o que eu quero ser e fazer, que é algo que tem a ver com performances”.

É pra se apaixonar, se envolver, se entreter e saber um pouco mais da cultura negra tão extensa e rica!

Em “ÍCARO and The Black Stars” a plateia mergulha na emoção destes artistas negros que fizeram o mundo cantar, dançar e pensar. Reis e rainhas pela grandeza. Pelos passos mágicos de Michael Jackson, pela poesia de Bob Marley, pelo timbre de Beyoncé ou pela loucura de Tim Maia. Por meio desses artistas homenageados, o espetáculo mostra que existem possibilidades de um mundo plural e democrático, independente de etnia, credo, cor, sexualidade e gênero. Uma grande homenagem a esses ídolos, para cantarmos e dançarmos com eles.

Cantando e contando sucessos da história da Black Music, o artista, vencedor do quadro “Show dos Famosos”, leva ao público o som de Michael Jackson, Bob Marley, Tim Maia, Wilson Simonal, Beyoncé, James Brown e outras estrelas. Entre as músicas, Ícaro conta histórias vividas por estes ídolos em paralelo com suas histórias pessoais. Trabalhando juntos pela terceira vez, o trio Ícaro Silva, Pedro Brício e Alexandre Elias vem com tudo nesta nova produção. Juntos fizeram também “S’imbora o Musical” e “Show em Simonal”.

A peça não está mais no Teatro XP e está em cartaz nesse final de semana no Teatro Bambu Shopping.

Grande beijo,

Duda Buchmann