Esse mês que se comemora a Consciência Negra e por conta do assunto em alta algumas empresas, marcas, pessoas da mídia e outros acabam se perdendo na hora de abordá-lo, alguns querem surfar na onda para engajamento, por exemplo. O que acaba banalizando uma data tão importante que visa notoriedade, diversidade e principalmente oportunidade para a população negra.

Por isso, segue algumas coisas cruciais para que não se percam na pauta e, claro, que seja tudo sincero e torcendo aqui para que o antirracismo seja não só uma pauta desse mês e sim pra vida toda. Repense sua empresa, repense de quem você consume conteúdo, reveja seus conceitos, dê oportunidades, não faça da causa um ganho de dinheiro sem o real objetivo.

O QUE NÃO FAZER

  • Indicar perfis de criadores, artistas, intectuais, etc que você nem acompanha
  • Convidar criadores, artistas, intelectuais, etc para fazer colaborações de conteúdo apenas sobre racismo (quando seu assunto principal nem é esse).
  • Convidar para falas e palestras sem monetizar.
  • Usar negros como Wikipedia.
  • Contratar só nessa data e depois nunca mais.
  • Criar eventos sem representatividade.

O QUE FAZER

  • Amplifique as vozes negras.
  • Valorize intelectuais negros.
  • Indique aqueles perfis que você já acompanha e busque outros para acrescentar em seu conhecimento.
  • Realize parceria duradouras e oportunidades empregatícias para além desse mês.
  • NÃO VOTE EM CANDIDATOS RACISTAS!

Fonte imagem: Solidário Notícias

Que Beyoncé é uma das artistas mais incríveis e completas que já pisaram nesse planeta, nem precisamos falar, mas a cada trabalho é uma superação maior que o anterior. Eu, como fã, imagino que é impossível algo ser melhor do que o que já realizado e a Bey vai lá e acaba com esse pensamento fazendo algo ainda mais grandioso e importante principalmente para a população negra.

A cantora/diretora/compositora/produtora lançou o álbum visual de The Gift, disco com músicas inspiradas e com elementos do povo africano e com enredo semelhante ao Rei Leão, no qual ela dublou a personagem Nala do remake em live-action em 2019. Havia uma expectativa grande para esse lançamento, já que há pouco ela confirmou a existência dele, mesmo com especulação desde o ano passado. Não, nada vazou antes (como? eu não sei), mas algumas imagens da gravação de Spirit (uma das canções com videoclipe lançado em 2019), dava a entender que tinha mais por vir e veio mesmo.

O álbum-filme se chama Black Is King e contou com diversos elementos que ligassem a história do leão Simba ao povo africano, com cenários incríveis, moda exuberante e show de dança pra gente ficar sem nem piscar na frente da tela. Ao programa Good Morning America, no dia do lançamento, ela disse que sua esperança com o filme era fazer com que ele mudasse a perspectiva do mundo da palavra “negro”, que para ela sempre significou inspiração, amor, força e beleza. Ela ainda afirma que “Black is King” significa a negritude como realeza, com histórias ricas, propósito e linhagem.

E, assistindo, eu só posso dizer que é isso mesmo. A gente sente isso, sente que pode mais, que tem espaço para conquistar, que tem gente por nós e que somos muito mais do que a sociedade insiste em mostrar. Que apesar da voz abafada a gente vai conseguir atingir o que almejamos.

Beyoncé é a artista que enaltece os negros desde a produção, são diversos artistas africanos por trás e na frente das câmeras e além disso, inclui nomes fortes como Naomi Campbell, Lupita Nyong’o, Kelly Rowland, Pharrel, Jay-Z, seu marido, e a própria filha, Blue Ivy.

Se Lemonade, seu último álbum visual, já transformou a imagem de Beyoncé no mundo como uma voz potente para o povo negro, Black is King confirmou isso com louvor.

Que sorte a nossa viver na mesma época dessa artista absurdamente talentosa e consciente do tamanho de sua voz.

Infelizmente Black is King é uma produção original do streaming Disney+ e não está disponível no Brasil. Mas é possível assistir trechos pela internet e um dos videoclipes lançados no Youtube e no Instagram oficial de Beyoncé, Already.

E aí?

“Se o racismo acabasse hoje, o que você faria?”

Essa é a pergunta que Gilberto Porcidonio (@_puppet), repórter do Jornal O Globo e ativista social, fez no twitter há alguns dias. Você sabe dizer? Vou compartilhar algumas respostas:

É, o racismo está aí e nos persegue.

Seja na hora de se vestir, na hora de entrar em um estabelecimento ou até mesmo em um simples caminhar pela rua. A gente fala tanto em acismo velado, mas será que é tão velado assim?

Tá mais que na hora da bolha ser estourada e cada um ter empatia e saber o que cada pessoa desse Brasil passa.

Texto para Revista Donna (2017)

Parece que a sociedade inteira percebe as condições de vida da população negra só em novembro, né? Afinal, ocorre uma “chuva” de eventos em relação a isso. Nós nos acostumamos a acompanhar uma programação especial a respeito de Consciência Negra, mas será que essas atividades estão sendo consumidas de verdade? E no resto do ano, como fica?

Esta terça-feira é 20 de novembro, data em que celebra-se o Dia da Consciência Negra no Brasil. A data foi escolhida pela morte do Zumbi dos Palmares (em 1695). É uma causa tão forte e significativa que não merecia apenas um dia no calendário para ser lembrada, mas, enfim, é o que temos.  A pergunta que fica para muitos é: será que ela é necessária? Por que não temos o dia da consciência branca?

Enquanto o salário for quase metade do homem branco mesmo com cargos iguais, enquanto um homem negro – vítima de assalto – ser espancado por acharem que o suspeito é ele, enquanto o número de jovens negros mortos for tão alto, enquanto o julgamento da cor da pele ser o mais importante, enquanto uma mãe com filhos negros sofrer diariamente, enquanto ouvirmos/lermos a expressão “racismo reverso”, enquanto não houver reconhecimento de privilégios, sim, precisaremos!

E, por favor, entenda que está longe de ser o dia do mimimi ou do vitimismo. Temos muito o que alcançar e conquistar e não entendo porque o protagonismo ainda possa incomodar tanto. Estamos sendo notados? Sim, mas pouco e queremos mais. É necessário canalizar a visibilidade para mais pessoas. Somos mais da metade da população, poxa!

O 20 de novembro é mais um dia para refletir e tentar entender a situação em que vivemos e lutar por melhorias. Em um país em que todos os âmbitos desmerece a população negra, temos muito a evoluir.

Sim, consciência negra deveria ser todos os dias, mas enquanto não temos isso…

Olá, lindezas!

Resultado de imagem para hidden figures

Vou falar sobre o filme Hidden Figures (com tradução para Estrelas Além do Tempo ¯_(ツ)_/¯) que vocês podem já ter assistido ou simplesmente escutado sobre ele por aí, aqui no Brasil foi lançado no início desse mês. Na noite de ontem (20) fui assistir com minha mãe e estou embasbacada, por falta de palavra melhor pra expressar.

Desde que assisti o trailer do filme, em dezembro, fiquei ansiosíssima para assistir, como relatei em um post do ATL Girls: “ESTRELAS ALÉM DO TEMPO”: filme mostra história de heroínas negras na NASA, a história se passa na base da NASA, no estado da Virgínia, em meio a Guerra Fria (EUA x URSS) em tempos em que existia segregação racial por lá. Ou seja, negros e brancos eram completamente divididos (inclusive banheiro, ponto alto do filme!) e, claro, negros não podiam fazer muita coisa por lá.

Minha mãe em um momento do filme me questionou: -década de 40, né? e eu: -não, é década de 60!

É chocante mesmo que fosse em 1940, imagina sendo há pouco mais de 50 anos, tão recente…

Mostrar que a mulher negra passou por “maus bucados” antes de ser notada na NASA e em qualquer lugar do mundo. Ainda a situação feminina negra é delicada, é necessário provar e provar e provar que podemos sim fazer aquilo que queremos. Mas que três dessas mulheres que lutavam tanto para serem notadas, finalmente foram e eram necessárias para um dos momentos mais importantes da Guerra.

Assistir o filme dá uma mistura de tristeza, dor, orgulho, emoção! Tristeza e dor ao ver o que pessoas sofreram e tinham que aguentar simplesmente por serem de outra cor, por terem que provar sempre que eram capazes de tais tarefas e mesmo assim não serem se quer notados. Orgulho e emoção por saber que existiram (existem!) pessoas negras capazes de destruir barreiras e serem nem um pouco valorizadas.

No dia em que decido escrever sobre esse filme que tanto me tocou, principalmente na segregação do estado da Virgínia, a linda Jordana (colaborado do ATL Girls também) retuitou esse post da Buzzfeed: 29 fotos perturbadoras de quando a segregação racial era permitida nos EUA, uma delas é essa:

 

Minha ideia era falar muito sobre esse filme, mas ainda tô processando tudo. Apesar de ter noção do que acontecia, é diferente assistir. Não costumo ver documentários sobre esse assunto, apenas reportagens de Martin Luther King Jr. que lutava contra a segregação nessa mesma época. E foi tudo muito maior do que isso! Vou estudar e deixar passar um pouco o êxtase e fazer um vídeo sobre isso. Tá?

Grande beijo,

Duda @negraecrespa