Esse mês que se comemora a Consciência Negra e por conta do assunto em alta algumas empresas, marcas, pessoas da mídia e outros acabam se perdendo na hora de abordá-lo, alguns querem surfar na onda para engajamento, por exemplo. O que acaba banalizando uma data tão importante que visa notoriedade, diversidade e principalmente oportunidade para a população negra.

Por isso, segue algumas coisas cruciais para que não se percam na pauta e, claro, que seja tudo sincero e torcendo aqui para que o antirracismo seja não só uma pauta desse mês e sim pra vida toda. Repense sua empresa, repense de quem você consume conteúdo, reveja seus conceitos, dê oportunidades, não faça da causa um ganho de dinheiro sem o real objetivo.

O QUE NÃO FAZER

  • Indicar perfis de criadores, artistas, intectuais, etc que você nem acompanha
  • Convidar criadores, artistas, intelectuais, etc para fazer colaborações de conteúdo apenas sobre racismo (quando seu assunto principal nem é esse).
  • Convidar para falas e palestras sem monetizar.
  • Usar negros como Wikipedia.
  • Contratar só nessa data e depois nunca mais.
  • Criar eventos sem representatividade.

O QUE FAZER

  • Amplifique as vozes negras.
  • Valorize intelectuais negros.
  • Indique aqueles perfis que você já acompanha e busque outros para acrescentar em seu conhecimento.
  • Realize parceria duradouras e oportunidades empregatícias para além desse mês.
  • NÃO VOTE EM CANDIDATOS RACISTAS!

Fonte imagem: Solidário Notícias

Texto para Revista Donna (2017)

Parece que a sociedade inteira percebe as condições de vida da população negra só em novembro, né? Afinal, ocorre uma “chuva” de eventos em relação a isso. Nós nos acostumamos a acompanhar uma programação especial a respeito de Consciência Negra, mas será que essas atividades estão sendo consumidas de verdade? E no resto do ano, como fica?

Esta terça-feira é 20 de novembro, data em que celebra-se o Dia da Consciência Negra no Brasil. A data foi escolhida pela morte do Zumbi dos Palmares (em 1695). É uma causa tão forte e significativa que não merecia apenas um dia no calendário para ser lembrada, mas, enfim, é o que temos.  A pergunta que fica para muitos é: será que ela é necessária? Por que não temos o dia da consciência branca?

Enquanto o salário for quase metade do homem branco mesmo com cargos iguais, enquanto um homem negro – vítima de assalto – ser espancado por acharem que o suspeito é ele, enquanto o número de jovens negros mortos for tão alto, enquanto o julgamento da cor da pele ser o mais importante, enquanto uma mãe com filhos negros sofrer diariamente, enquanto ouvirmos/lermos a expressão “racismo reverso”, enquanto não houver reconhecimento de privilégios, sim, precisaremos!

E, por favor, entenda que está longe de ser o dia do mimimi ou do vitimismo. Temos muito o que alcançar e conquistar e não entendo porque o protagonismo ainda possa incomodar tanto. Estamos sendo notados? Sim, mas pouco e queremos mais. É necessário canalizar a visibilidade para mais pessoas. Somos mais da metade da população, poxa!

O 20 de novembro é mais um dia para refletir e tentar entender a situação em que vivemos e lutar por melhorias. Em um país em que todos os âmbitos desmerece a população negra, temos muito a evoluir.

Sim, consciência negra deveria ser todos os dias, mas enquanto não temos isso…