Você estava criando um post e não conseguiu achar imagens que o ilustrassem? Eu entendo, inclusive já falei sobre lá em 2018 quando escrevia para dois locais (o extinto AtlGirls e para a Revista Donna), além daqui, claro.

Seja criador de conteúdo, editor de site, blogueiro, aluno ou funcionário fazendo uma apresentação, enfim, a dificuldade de encontrar imagens com pessoas negras de maneira gratuita (e até paga) é real e enorme.

Se dermos um Google até que tem imagens por lá, mas normalmente é impossível encontrar a fonte, pois elas já foram replicadas milhares de vezes sem os dados e achar a origem se torna uma missão para investigadores profissionais, rs.

Que tal bancos de imagens gratuitos só com pessoas negras?

Conheça YGB (Young, Gifted an Black) que lá no início de 2018 era um projeto e agora é uma realidade. Um banco de imagens brasileiro e realizado 100% por mulheres negras.

ygb

O YGB é um banco com imagens gratuitas (e pago quando for solicitado uma imagem com maior dimensão). Ainda está com poucas imagens, mas quer crescer e precisa de parcerias e ajuda financeira para tal. Pode ajudar? ygb.black

nappy

Nappy é outro banco de imagens gratuito com grande variação de temáticas criado pela agência americana Shade e tem como objetivo a quebra de padrão dos bancos de imagens comuns, com novas narrativas.

O Nappy é meu maior aliado quando vou criar conteúdo, principalmente pra Donna.

mulheresinvisiveis

Além desses dois bancos, a Adobe criou o projeto Mulheres (In)Visíveis, com imagens pagas. O projeto se descreve assim: “Um olhar cuidadoso sobre a representatividade e a quebra de estereótipos na publicidade brasileira, essa é a missão do projeto Mulheres (In)Visíveis”. O projeto consiste em tornar protagonistas aquelas fora do padrão -mulheres negras, lésbicas, com deficiência, gordas, etc.

 

 

Que Beyoncé é uma das artistas mais incríveis e completas que já pisaram nesse planeta, nem precisamos falar, mas a cada trabalho é uma superação maior que o anterior. Eu, como fã, imagino que é impossível algo ser melhor do que o que já realizado e a Bey vai lá e acaba com esse pensamento fazendo algo ainda mais grandioso e importante principalmente para a população negra.

A cantora/diretora/compositora/produtora lançou o álbum visual de The Gift, disco com músicas inspiradas e com elementos do povo africano e com enredo semelhante ao Rei Leão, no qual ela dublou a personagem Nala do remake em live-action em 2019. Havia uma expectativa grande para esse lançamento, já que há pouco ela confirmou a existência dele, mesmo com especulação desde o ano passado. Não, nada vazou antes (como? eu não sei), mas algumas imagens da gravação de Spirit (uma das canções com videoclipe lançado em 2019), dava a entender que tinha mais por vir e veio mesmo.

O álbum-filme se chama Black Is King e contou com diversos elementos que ligassem a história do leão Simba ao povo africano, com cenários incríveis, moda exuberante e show de dança pra gente ficar sem nem piscar na frente da tela. Ao programa Good Morning America, no dia do lançamento, ela disse que sua esperança com o filme era fazer com que ele mudasse a perspectiva do mundo da palavra “negro”, que para ela sempre significou inspiração, amor, força e beleza. Ela ainda afirma que “Black is King” significa a negritude como realeza, com histórias ricas, propósito e linhagem.

E, assistindo, eu só posso dizer que é isso mesmo. A gente sente isso, sente que pode mais, que tem espaço para conquistar, que tem gente por nós e que somos muito mais do que a sociedade insiste em mostrar. Que apesar da voz abafada a gente vai conseguir atingir o que almejamos.

Beyoncé é a artista que enaltece os negros desde a produção, são diversos artistas africanos por trás e na frente das câmeras e além disso, inclui nomes fortes como Naomi Campbell, Lupita Nyong’o, Kelly Rowland, Pharrel, Jay-Z, seu marido, e a própria filha, Blue Ivy.

Se Lemonade, seu último álbum visual, já transformou a imagem de Beyoncé no mundo como uma voz potente para o povo negro, Black is King confirmou isso com louvor.

Que sorte a nossa viver na mesma época dessa artista absurdamente talentosa e consciente do tamanho de sua voz.

Infelizmente Black is King é uma produção original do streaming Disney+ e não está disponível no Brasil. Mas é possível assistir trechos pela internet e um dos videoclipes lançados no Youtube e no Instagram oficial de Beyoncé, Already.

A novela Malhação lançada em 2017 tem como subtítulo “Viva a Diferença“, super apropriado para essa temporada que foi LIN-DA!

Sabe aquele enredo de casalzinho principal que todo mundo quer separar e acontece umas histórias paralelas fracas, mas o foco sempre é o casal? NÃO É O CASO.

Em Malhação – Viva a diferença são cinco protagonistas mulheres extremamente diferentes em classe social, interesses e vivências que se uniram inicialmente por uma gravidez na adolescência, ou melhor, um parto de uma delas no metrô. Um pouco de “fora da realidade” talvez, mas as coisas só melhoraram a partir dali.

A abertura tem como trilha a música Bate a Poeira de Karol Conká (minha música favorita dela, justamente pela letra), trecho:

Seja o que tiver que ser, seja o que quiser ser
Bate a poeira, bate a poeira
Seja o que tiver que ser

O preconceito velado tem o mesmo efeito, mesmo estrago
Raciocínio afetado falar uma coisa e ficar do outro lado

Mas voltando a história, essa fase de Malhação trata delicadamente e com bastante realismo alguns preconceitos e tabus presentes em nossas vidas. Questões como:

Maternidade na adolescência

Um tema recorrente na novela, mas com abordagem diferente. Sempre vemos a menina lidando com a gravidez precoce, mas dessa vez a gravidez durou minutos só no primeiro capítulo, o que a história fala é o que acontece depois que a criança nasce.

Tudo começa com o parto de uma das protagonistas com a ajuda das outras quatro quando estavam sozinhas dentro de um metrô parado. Elas não eram amigas e o ocorrido fez um laço de união entre todas elas. Como lidar com um filho pequeno, a ajuda das amigas, do pai da adolescente e do suposto pai da criança, é um dos assuntos principais da novela.

Racismo

Uma das protagonistas é negra, a Elen, ela estuda em colégio público, é super inteligente, mas têm oportunidades barradas por conta de sua cor e outros conflitos. Seu irmão sofre preconceito por parte da mãe de sua namorada, que não aceita que sua filha o namore. Ele vive como uma figura determinada, apenas por ser negro, com ofensas vindo inclusive de policiais (lembrou Dear White People).

Feminismo

Acontecem muitos diálogos de questionamento do porquê homens tem preferência ou liberdade para fazer algumas coisas e mulheres não. Ou o machismo no próprio relacionamento amoroso.

Relacionamento aberto

Uma das protagonistas namora um garoto, mas ambos tem interesse em outras pessoas apesar de se darem bem e se gostarem muito. Ela propôs abrir o relacionamento e foi tudo ok, parte da novela mostra essa adptação.

Desigualdade social

Os personagem são divididos entre uma escola pública e outra privada, mas com a união das 5 meninas, os dois grupos se juntaram e convivem bem (quase sempre). Cada lado conhecendo a vida e cultura do outro, quebrando barreiras, se posicionando. E acho que vem daí, principalmente, o subtítulo da temporada: VIVA A DIFERENÇA. Mesmo assim, a desigualdade influencia bastante na vida de cada um.

Padrões de beleza

Uma questão forte que aparece é o padrão de magreza. O uso de medicamentos, dietas radicais, exercícios sem orientação para um objetivo final, mas que prejudica muito a saúde e não dá resultado nenhum.

Influência da tecnologia

Elen, a protagonista que já me referi por aqui é um crânio! E lida muito bem com a tecnologia. A trama mostra que a tecnologia pode ser uma grande aliada da educação.

 

Não ter só um casal como protagonista abre um leque de assuntos que podem ser abordados com maior destaque e acho que isso está sendo feito lindamente sem perder a essência da fala com o público jovem.

É a primeira vez que Malhação é ambientada em São Paulo e não no Rio de Janeiro. Essa nova era tem como responsável o autor Cao Hamburguer, responsável pelo Castelo Rá-Tim-Bum, a série Cidade dos Homens e o filme Xingu, por exemplo.

Não sou mais o público alvo do folhetim e talvez você também não seja, mas é bom saber o que a programação mostra pra geração jovem que está aí.

Foi assim que Ingrid Silva, bailarina clássica, comemorou enfim a chegada de suas sapatilhas da cor de sua pele. Ela não precisaria mais pintar as sapatilhas cor de rosa como fez nos últimos 11 anos.

Ingrid é carioca, mora em NY há anos e é a primeira bailarina da companhia Dance Theatre of Harlem (primeira de bailarinos negros do mundo).

A Ingrid é uma transgressora no melhor sentido da palavra no meio do ballet clássico. Ela usa cabelo natural, passou pela transição enquanto já era bailarina nos Estados Unidos, enquanto todas as outras alisavam seus cabelos para o padrão “clássico” da dança.

Mas quero falar hoje sobre as suas sapatilhas.

Sabemos que as sapatilhas são a extensão dos pés das bailarinas, sendo assim, visualmente o ideal seria que ela fosse da mesma cor da pele de quem está atuando, ou uma cor próxima. Mas Ingrid é negra retinta, as sapatilhas rosas comuns não a contemplavam e por isso que ela sempre pintou as suas, com base para pele.

Finalmente agora as sapatilhas são feitas da cor de Ingrid e de outras tantas bailarinas negras ou que sonham em ser. Mais um passo para a representatividade por completo. Como ela mesma disse em sua publicação: “dever cumprido”.

Conheça um pouco mais da rainha Ingrid nessa entrevista para a Revista TPM:

 

Grande beijo,

Duda Buchmann

É, ESTAMOS MUITO ANIMADOS COM NOSSA AMADA QUERIDA IDOLATRADA (SALVE SALVE) MICHELLE OBAMA!!!!!

Nossa diva surgiu com cabelos não lisos em suas últimas aparições públicas e isso tem um poder sem igual. Além de ser advogada, mulher de um dos homens mais importantes do mundo e ter forte torcida para se tornar a primeira presidenta negra dos Estados Unidos, ainda tem um dos livros mais vendidos dos últimos tempos, com sua própria biografia denominada Becoming (em português, Minha História).

Tá claro que ela é uma baita influência pro mundo inteiro, não só intelectual, mas de estilo também, desde a primeira vez que apareceu ao lado de Barack.

Do início da carreira pública do marido até poucos dias atrás, foram raras às vezes que vimos Michelle com cabelo afro não alisado. Eu nunca tinha parado pra pensar na importância dessa aparência até ler meu livro favorito Americanah da Chimamanda Ngozi Adichie. Aquele visual fazia parte de toda uma estratégia. Chimamanda levanta no livro, através da protagonista Ifemelu, que possivelmente Barack nem seria eleito se Michelle usasse seu cabelo natural durante a campanha. Depois, em entrevistas a autora confirmou essa afirmação.

E se minha opinião vale alguma coisa, eu concordo com Chimamanda. Já que no mundo do padrão o cabelo liso é formal e crespo/cacheado não é. Por enquanto.

Michelle tem total consciência disso e em uma oportunidade chegou a dizer que o objetivo dela após os mandatos de Barack era continuar com cabelo na cabeça (a gente sabe o que uma química pode fazer com os fios, né?), ela ainda disse que isso afetava diversas profissionais negras, essa pequena “escravidão” estética.

 

Michelle também sabe o quanto que atingiu parecendo com cabelo afro agora.

Estamos mudando. Pra melhor.