Você estava criando um post e não conseguiu achar imagens que o ilustrassem? Eu entendo, inclusive já falei sobre lá em 2018 quando escrevia para dois locais (o extinto AtlGirls e para a Revista Donna), além daqui, claro.

Seja criador de conteúdo, editor de site, blogueiro, aluno ou funcionário fazendo uma apresentação, enfim, a dificuldade de encontrar imagens com pessoas negras de maneira gratuita (e até paga) é real e enorme.

Se dermos um Google até que tem imagens por lá, mas normalmente é impossível encontrar a fonte, pois elas já foram replicadas milhares de vezes sem os dados e achar a origem se torna uma missão para investigadores profissionais, rs.

Que tal bancos de imagens gratuitos só com pessoas negras?

Conheça YGB (Young, Gifted an Black) que lá no início de 2018 era um projeto e agora é uma realidade. Um banco de imagens brasileiro e realizado 100% por mulheres negras.

ygb

O YGB é um banco com imagens gratuitas (e pago quando for solicitado uma imagem com maior dimensão). Ainda está com poucas imagens, mas quer crescer e precisa de parcerias e ajuda financeira para tal. Pode ajudar? ygb.black

nappy

Nappy é outro banco de imagens gratuito com grande variação de temáticas criado pela agência americana Shade e tem como objetivo a quebra de padrão dos bancos de imagens comuns, com novas narrativas.

O Nappy é meu maior aliado quando vou criar conteúdo, principalmente pra Donna.

mulheresinvisiveis

Além desses dois bancos, a Adobe criou o projeto Mulheres (In)Visíveis, com imagens pagas. O projeto se descreve assim: “Um olhar cuidadoso sobre a representatividade e a quebra de estereótipos na publicidade brasileira, essa é a missão do projeto Mulheres (In)Visíveis”. O projeto consiste em tornar protagonistas aquelas fora do padrão -mulheres negras, lésbicas, com deficiência, gordas, etc.

 

 

Mulher negra recebe muito menos que homem e mulher brancos e homem negro, mesmo todos diplomados. Mais uma prova de que ser mulher negra no Brasil é bem difícil mesmo.

Imagem relacionada

Esses dados foram apresentados no estudo “O Desafio da Inclusão”, do Instituto Locomotiva, com base de dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). Os resultados são que entre homens brancos acima de 25 anos, 18% têm ensino superior e renda média de R$ 6.702 e entre os negros, apenas 6% têm graduação, e a renda média é de R$ 4.810. E se tratando de distinção de gênero, entre mulheres brancas 21% tem diploma e o rendimento médio é de R$ 3.981, já entre as mulheres negras, 9% são diplomadas e possuem a menor renda média, R$ 2.918. Ou seja, de acordo com o estudo, as mulheres negras têm a menor renda entre os trabalhadores com ensino superior. A diferença salarial de um homem branco e uma mulher negra é de 43%!

Se essa imagem fosse em uma empresa qualquer, com personagens reais e com o mesmo nível de posição, você saberia dizer quem ganha mais?

Além de termos que nos superar a cada dia, não ter espaço para falhas mínimas, ainda recebemos menos. Por que a cor da pele define competência de alguém?

Tal desigualdade salarial entre brancos e negros e entre os sexos representa um prejuízo bilionário. Segundo o Locomotiva, a desigualdade salarial causa um prejuízo bilionário, já que há o desperdício de mais de 800 bilhões de reais que poderiam estar no mercado.

E aí, vamos ficar até quando definindo capacidade pela raça? Não podemos esperar chegar os 150 anos previstos para equilibrar as oportunidades de brancos e negros.
A mudança tem que ser já, agora!!!
Duda Buchmann
Texto original escrito para o ATLGirls.

Boa noite, lindezas!

Alô, alô tema polêmico no ar!!!

Para quem não sabe esse semestre estou realizando meu TCC de Gestão Ambiental, curso  superior que faço em Porto Alegre (você pode me seguir no Snap: DUDABUCHMANN para saber essas coisas :D), mas enfim, na cadeira de TCC tive que apresentar algo para avaliar a apresentação oral (em tema livre). E claro que escolhi um tema que tivesse a ver com o blog. Optei por falar da representatividade negra feminina na mídia brasileira.

NARAÇA

Resolvi colocar na íntegra os prints dos slides por aqui. Apesar da maior parte da apresentação ter sido oral, acho importante começar a discussão tratando do assunto superficialmente (afinal, eram 10 minutos). Quem sabe um próximo post completo com as opiniões de vocês junto das minhas?

Então, lá vai:

representatividaderepresentatividade1representatividade2representatividade3representatividade4representatividade5representatividade6representatividade7representatividade8representatividade9representatividade10representatividade11

E então. Complicado, não é?

Será que um país com a maior população negra fora do continente africano precisa de uma lei para ter representação na mídia?

Será que a maior representatividade nos últimos anos nas áreas televisivas, publicidade, produtos é por conta da “moda” e pelo aumento de mídias sociais sobre isso ou continuará aumentando?

Até quando seremos maioria empregadas, faxineiras, marginalizadas?

representatividade12.jpg

São tantos questionamentos, não é mesmo? Gostaria de abrir essa discussão com vocês! Por favor, deem suas opiniões, depoimentos e críticas nos comentários e redes sociais Negra e Crespa para conversarmos sobre?

Grande beijo,

Duda @negraecrespa