Olá, lindezas!

Desde 2001 a emissora BET (Black Entertainment Television) tem a cerimônia anual BET Awards, para premiar personalidades afro-americanos, exclusivamente.

Na noite de ontem (23), aconteceu a 19ª edição e a grande homenageada da noite foi Mary J Blige com o prêmio Lifetime Achievement Award entregue pelas mãos de Rihanna com um discurso incrível por sinal.

O ator Tyler Perry recebeu uma homenagem com o prêmio Ultimate Icon Award. E também aconteceu uma homenagem póstuma ao rapper Nipsey Hussle com o prêmio Humanitarian Award.

Confira os premiados da edição de 2019, que teve apresentações de Cardi B, DJ Khaled, H.E.R., entre outros:

Melhor Artista Feminino de R&B/Pop:
Beyoncé

Melhor Artista Masculino de R&B/Pop:
Bruno Mars

Melhor Grupo: 
Migos

Melhor Colaboração :
Travis Scott Ft. Drake, Sicko Mode

Melhor Artista Masculino de Hip Hop: 
Nipsey Hussle

Melhor Artista Feminino de Hip Hop:
Cardi B

Clipe do Ano:
Childish Gambino, This Is America

Diretor de Clipe do Ano:
Karena Evans

Melhor Artista Revelação:
Lil Baby

Prêmio Dr. Bobby Jones Melhor Gospel/Inspiração:
Snoop Dogg Ft. Rance Allen, Blessing Me Again

Melhor Atuação International:
Burna Boy

Melhor Atuação de Artista Revelação Internacional:
Sho Madjozi

Melhor Atriz:
Regina King

Melhor Ator:
Michael B. Jordan

Estrela Jovem:
Marsai Martin

Melhor Filme:
Infiltrado na Klan

Atleta do Ano (feminino):
Serena Williams

Atleta do Ano (Masculino):
Stephen Curry

Álbum do ano:
Invasion Of Privacy, Cardi B

Escolha do Telespectador: 
Ella Mai, Trip

Prêmio Bet Her:
H.E.R., Hard Place

Grande beijo,

Duda Buchmann

É, quase não deu pra sentir falta das rainhas Rihanna e Beyoncé nesse Grammy depois de tantas performances incríveis e prêmios maravilhosos.

Desde as nomeações, já víamos que a hegemonia masculina e branca não era predominante, como na categoria Videoclipe do Ano, por exemplo, em que todos eram negros e metade de mulheres.

Me surpreendi positivamente com a força feminina presente na premiação toda, muito por causa da anfitriã e vencedora de 15 Grammys, Alicia Keys, escolhida a dedo para passar toda a energia radiante dela e de suas “manas”, modo de fazer referência a todas as colegas artistas presentes ❤ Alicia toda doce, positiva e exalando talento não só apresentou a premiação, como foi responsável por revelar os dois grandes vencedores da noite (Gravação do Ano e Álbum do ano) e ainda fez uma das performances mais impecáveis, tocando DOIS pianos e com um medley de músicas que ela gostaria de ter escrito.

Mas a noite iniciou com 5 mulheres poderosíssimas no palco, além de Alicia, estava Michele Obama, Lady Gaga, Jennifer Lopez e Jada Smith para falar da música em suas vidas e como essa relação as fazem melhor.

O grande vencedor foi Gambino com a música This is America, que fala de violência policial e racismo em um momento tão delicado nos Estados Unidos (saiba curiosidades sobre o clipe aqui). A canção ganhou Gravação do Ano, Melhor Clipe, Melhor Música e Melhor Colaboração de Rap.

A noite teve diversas apresentações, entre elas de Camila Cabello; de Miley Cyrus; da Lady Gaga, uma homenagem à Dolly Parton com Miley Cyrus, Katy Perry, Kacey Musgraves, Linda Perry e Big Little Town; de Janelle Monaé; de H.E.R; de Diana Ross, um tributo com vozes poderosíssimas de Andra Day, Yolanda Adams e Fantasia à Aretha Franklin; solo da Kacey Musgraves; de Cardi B; da Jennifer Lopez em uma homenagem a Motown; de Dua Lipa e St. Vincent; da dupla Chloe e Halle.

Dentre os vencedores, além de Gambino, temos The Carters (Bey e Jay-Z), Lady Gaga, Dua Lipa, Kacey Musgraves, Drake, Cardi B, H.E.R, Ariana Grande e a trilha sonora de Pantera Negra.

WOMAN & BLACK POWER senhoras e senhores!

Texto para Revista Donna (2017)

Parece que a sociedade inteira percebe as condições de vida da população negra só em novembro, né? Afinal, ocorre uma “chuva” de eventos em relação a isso. Nós nos acostumamos a acompanhar uma programação especial a respeito de Consciência Negra, mas será que essas atividades estão sendo consumidas de verdade? E no resto do ano, como fica?

Esta terça-feira é 20 de novembro, data em que celebra-se o Dia da Consciência Negra no Brasil. A data foi escolhida pela morte do Zumbi dos Palmares (em 1695). É uma causa tão forte e significativa que não merecia apenas um dia no calendário para ser lembrada, mas, enfim, é o que temos.  A pergunta que fica para muitos é: será que ela é necessária? Por que não temos o dia da consciência branca?

Enquanto o salário for quase metade do homem branco mesmo com cargos iguais, enquanto um homem negro – vítima de assalto – ser espancado por acharem que o suspeito é ele, enquanto o número de jovens negros mortos for tão alto, enquanto o julgamento da cor da pele ser o mais importante, enquanto uma mãe com filhos negros sofrer diariamente, enquanto ouvirmos/lermos a expressão “racismo reverso”, enquanto não houver reconhecimento de privilégios, sim, precisaremos!

E, por favor, entenda que está longe de ser o dia do mimimi ou do vitimismo. Temos muito o que alcançar e conquistar e não entendo porque o protagonismo ainda possa incomodar tanto. Estamos sendo notados? Sim, mas pouco e queremos mais. É necessário canalizar a visibilidade para mais pessoas. Somos mais da metade da população, poxa!

O 20 de novembro é mais um dia para refletir e tentar entender a situação em que vivemos e lutar por melhorias. Em um país em que todos os âmbitos desmerece a população negra, temos muito a evoluir.

Sim, consciência negra deveria ser todos os dias, mas enquanto não temos isso…

Olá, lindezas!

No início de julho eu estava no Rio de Janeiro e tive oportunidade de assistir a peça musical Ícaro and The Black Stars no Teatro XP protagonizado por Ícaro Silva. Antes de falar sobre ela, preciso dizer que já estou torcendo demais por uma turnê nacional, todo mundo precisa assistir!

Eu sou fã do Ícaro desde os tempos de black power do Rafa na Malhação, acompanho a carreira dele e me surpreendi positivamente quando o assisti no quadro Show dos Famosos no Domingão do Faustão (apesar de acompanhar ele na TV, eu não tinha ideia do talento dele nos musicais). E acho que foi a participação dele no programa que deu o ponta pé no musical.

Um teatro com negros como personagens principais, em uma zona do Rio de Janeiro, com casa lotada é representatividade!

O musical é uma viagem espacial com momentos importantes da música dos negros no mundo. Tem Beyoncé, Gilberto Gil, James Brown, Jackson 5, Bob Marley e muito mais. A produção é simples, conta com duas cantoras (as Black Stars), banda com dois assopros e uma percussão e uma dj, todos extremamente talentosos! Fiquei encantada com tanto talento em um pequeno grupo. O texto é de Pedro Brício e a direção musical é de Alexandre Elias. E tem a proposta de ter um convidado por noite, na nossa foi a Daúde, cantora do hit Pata Pata (1997). Foi uma noite inesquecível! Muita energia, muita ginga, muito humor e muito ritmo!

E a vontade de levantar pra dançar? Apesar de ser uma peça musical, pode ser confundido com um show tranquilamente, rs. O próprio Ícaro explicou um pouco para ao jornal Extra:

“Não é um show, um musical nem uma peça de teatro. É um milk shake de possibilidades artísticas. Reuni nesse trabalho ícones negros que permeiam a cultura popular, assim como a minha vida, e que, ao mesmo tempo, dialogam com o que eu quero ser e fazer, que é algo que tem a ver com performances”.

É pra se apaixonar, se envolver, se entreter e saber um pouco mais da cultura negra tão extensa e rica!

Em “ÍCARO and The Black Stars” a plateia mergulha na emoção destes artistas negros que fizeram o mundo cantar, dançar e pensar. Reis e rainhas pela grandeza. Pelos passos mágicos de Michael Jackson, pela poesia de Bob Marley, pelo timbre de Beyoncé ou pela loucura de Tim Maia. Por meio desses artistas homenageados, o espetáculo mostra que existem possibilidades de um mundo plural e democrático, independente de etnia, credo, cor, sexualidade e gênero. Uma grande homenagem a esses ídolos, para cantarmos e dançarmos com eles.

Cantando e contando sucessos da história da Black Music, o artista, vencedor do quadro “Show dos Famosos”, leva ao público o som de Michael Jackson, Bob Marley, Tim Maia, Wilson Simonal, Beyoncé, James Brown e outras estrelas. Entre as músicas, Ícaro conta histórias vividas por estes ídolos em paralelo com suas histórias pessoais. Trabalhando juntos pela terceira vez, o trio Ícaro Silva, Pedro Brício e Alexandre Elias vem com tudo nesta nova produção. Juntos fizeram também “S’imbora o Musical” e “Show em Simonal”.

A peça não está mais no Teatro XP e está em cartaz nesse final de semana no Teatro Bambu Shopping.

Grande beijo,

Duda Buchmann

Olá, lindezas!

Faz tempo que não dou dicas de livro por aqui, então vou aproveitar e dar algumas. Todas são de autores negros e recentes, então não será difícil de encontrá-los por aí. Quis fazer esse post para além de valorizar a literatura negra, tentar estimular a leitura de cada um (lembrete pra mim mesma também!).

1 – O que é lugar de fala – Djamila Ribeiro

Resultado de imagem para djamila fala

2 – Na minha pele – Lázaro Ramos

Resultado de imagem para na minha pele

3 – Esse cabelo – Djaimilia Pereira de Almeida

Resultado de imagem para esse cabelo livro

4 – Americanah – Chimamanda Ngozi

13525_gg

5 – Quando me descobri negra – Bianca Santana

Resultado de imagem para quando eu me descobri negra

6 – O ódio que você semeia – Angie Thomas

Resultado de imagem para o dia que voce semeia


Caso você não tenha algum, aproveite para atualizar a sua biblioteca com os descontos da Cupom Válido, basta acessar o www.cupomvalido.com.br, selecionar as livrarias e se jogar!


 

Boa leitura!

Duda Buchmann